Foreign Branding – Nomes que remetem a outros idiomas

Haagen Dazs

Foreign Branding se refere à prática de utilizar nomes em outros idiomas, ou  que pareçam estar grafados em outras línguas para dar uma ideia ao consumidor que aquele produto veio de determinado país ou feito por uma companhia estrangeira. Isso pode ocorrer, por exemplo, em alimentos. Dar nomes franceses a vinhos produzidos no Brasil podem levar o consumidor a crer que aquele produto é melhor do que outro com um nome tupiniquim. O mesmo ocorre, por exemplo,  com vodcas, cujos nomes remetendo a idiomas do norte da Europa ou leste europeu, proliferam no país. O nome, em si, pode ser uma tradução de algo, ou não. Dessa forma, um vinho brasileiro poderá ter um nome iniciado por Le Chateau de qualquer coisa, ou algo que não tenha sentido, mas remeta ao idioma francês.

A prática é comum em diversos países. Assim, o segredo está em encontrar um nome que possa soar interessante para qualquer cidadão no mundo. Um exemplo clássico é a marca de sorvetes Häagen-Dazs. Muitos consumidores a associam a um fabricante sueco, dinamarquês, alemão ou norueguês, quando na verdade, o nome foi criado nos Estados Unidos para uma marca estadunidense para dar esse mesmo efeito. Na prática, Häagen-Dazs não quer dizer nada, nem junto nem separado, nem em idioma nenhum. Um exemplo claro de foreign Branding internacional.

O Brasil utiliza bastante esse recurso para dar ideia que produtos nacionais vieram do exterior ou foram produzidos além-mar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.